Como a agricultura moderna mudou o mundo

DE ONDE vem seu alimento? Do mercado ou da sua horta? Não muito tempo atrás, a maioria das pessoas vivia da agricultura de subsistência, isto é, plantava para o próprio consumo. Mas hoje, em algumas nações industrializadas, apenas 1 em cada 50 pessoas trabalha na lavoura. Como aconteceu essa mudança?

Os avanços na agricultura começaram aos poucos e se intensificaram com o tempo. Cada um deles teve um grande impacto em milhões de famílias, e o processo ainda continua em todo o mundo. Uma análise de como o progresso na agricultura afetou as pessoas pode ser de ajuda para a compreensão do mundo atual.

O início das mudanças

Pintura retratando uma cena de colheita
Pintura retratando uma cena de colheita

Por incrível que pareça, um dos avanços que mais contribuíram para o fim da agricultura de subsistência na Europa foi o uso da coalheira, no século 12. Tratava-se de um tipo de coleira para cavalo que impedia o animal de sufocar enquanto trabalhava. Assim, o cavalo podia puxar com mais força, mais rapidez e por mais tempo do que o boi, animal usado até então. Isso aumentou a produção dos fazendeiros. Eles podiam usar arados de ferro em terras que antes eram impossíveis de ser cultivadas. Outro avanço foi o cultivo de plantas - como feijão, ervilha, trevo e alfafa - que enriquecem o solo com nitrogênio. Solos com mais nutrientes eram mais produtivos.

Graças a esses avanços iniciais, alguns agricultores também conseguiam produzir para vender. Isso levou ao crescimento de cidades, onde as pessoas podiam comprar alimentos e exercer profissões variadas, como fabricantes e artesãos. Foi dentre ricos fabricantes, artesãos e fazendeiros que saíram os inventores das primeiras máquinas agrícolas.

Por volta de 1700, Jethro Tull, um fazendeiro inglês, inventou uma semeadora puxada a cavalo. Isso substituiu a semeadura manual, que desperdiçava sementes. Em 1831, nos Estados Unidos, Cyrus McCormick inventou uma ceifadeira mecânica puxada a cavalo que podia colher cereais cinco vezes mais rápido do que um homem com uma foice. Também naquela época, comerciantes passaram a trazer para a Europa fertilizantes da costa andina, na América do Sul. O uso de maquinário e fertilizantes resultou num aumento impressionante da produção agrícola. Mas como isso afetou as pessoas?

Revolução Industrial, ocorreu primeiro na Grã-Bretanha
Revolução Industrial, ocorreu primeiro na Grã-Bretanha

Por fornecer grandes quantidades de alimento barato para as cidades, o progresso na agricultura tornou possível a Revolução Industrial. Essa revolução ocorreu primeiro na Grã-Bretanha entre 1750 e 1850. Milhares de famílias tiveram de se mudar para cidades industriais a fim de trabalhar em minas de carvão, fundições de ferro, estaleiros e tecelagens. Os pequenos lavradores que não podiam custear os novos métodos agrícolas lucravam menos com sua produção e não conseguiam pagar o aluguel de suas terras. Tiveram de abandoná-las para morar em bairros pobres, superlotados e infestados de doenças. Em vez de trabalharem com sua família no campo, os homens agora tinham de buscar o sustento fora de casa. Até crianças trabalhavam por muitas horas em fábricas. Outros países logo passariam por mudanças similares.

A ciência traz mais mudanças

Por volta de 1850, alguns países já tinham condições de financiar pesquisas agrícolas. Essas pesquisas têm trazido mudanças até nossos dias. Por exemplo, geneticistas desenvolveram plantas que produzem mais ou que têm maior resistência a doenças. Pesquisadores também descobriram a mistura exata de nitratos e fosfatos necessários para certos tipos de planta e solo. As ervas daninhas haviam mantido os lavradores ocupados carpindo durante a época do cultivo. Mas muitos desses trabalhadores perderam o emprego quando cientistas desenvolveram herbicidas sofisticados que diminuíam o crescimento das ervas daninhas. Insetos, lagartas e carunchos também são velhos inimigos dos lavradores. No entanto, hoje existe uma grande variedade de produtos químicos para eliminar quase todas as pragas.*

A vida dos pecuaristas também mudou. Um vaqueiro e seu ajudante podem cuidar de até 200 vacas com o auxílio de robôs e computadores na ordenha e na alimentação. Os fazendeiros também conseguem engordar bezerros e porcos bem mais rápido por criá-los em abrigos e não em campos abertos, controlando assim a temperatura e a dieta.

O uso da ciência na agropecuária teve resultados muitas vezes espetaculares. A produção de alguns fazendeiros hoje é cem ou até mil vezes maior por trabalhador do que no período pré-industrial. Mas que impacto isso teve na vida dos agricultores?

Um novo tipo de agricultor

As máquinas mudaram o jeito de viver do agricultor em muitos lugares. Hoje, a maioria dos fazendeiros e seus empregados tem de saber operar maquinário sofisticado e fazer a manutenção dele. Seu trabalho tem se tornado cada vez mais solitário. Aquele espírito de camaradagem típico do semear, carpir e colher em grupos deixou de existir.

Em muitos países, surgiu um novo tipo de agricultor: um homem de negócios com formação acadêmica, especializado na produção em massa de poucos produtos agrícolas ou de apenas um. Ele investe muito dinheiro em terras, instalações e maquinário. Mas está longe de ser independente. Grandes empresas de processamento de alimentos e redes de supermercado ditam o preço, a variedade, o tamanho e a cor dos produtos. Engenheiros agrônomos projetam para ele sistemas de produção, e empresas especializadas lhe fornecem os tipos certos de fertilizante, pesticida e semente híbrida necessários para as condições de sua fazenda. O agricultor moderno progrediu bastante em comparação com seus antepassados. Mas ele ainda enfrenta muitos desafios, e algumas pessoas estão preocupadas com os possíveis efeitos nocivos de certas técnicas de cultivo.

Ainda em crise

Em países ricos, muitos fazendeiros ainda se vêem obrigados a abandonar suas terras por causa da concorrência de grandes corporações agrícolas. Alguns deles só conseguem manter seu prezado modo de vida por passar a oferecer serviços na área de lazer, incluindo hotéis, pousadas, camping, campos de golfe e artesanato rural. Outros optam por oferecer produtos diferenciados: alimento orgânico, flores, avestruzes e alpacas.

Em países mais pobres, onde até 80% da população talvez tire seu sustento da terra, muitos agricultores de subsistência também estão passando por mudanças drásticas. Algumas empresas internacionais que usam métodos agrícolas industriais compram as melhores terras para cultivar produtos de exportação. Em resultado disso, resta aos agricultores de subsistência - com pouco ou nenhum maquinário - trabalhar em terrenos pequenos ou improdutivos para sustentar a família.

O grande êxodo rural que ocorre hoje em muitos países é o resultado de um processo que começou há séculos. A mudança do modo de vida agrícola para o urbano ainda beneficia alguns e prejudica outros. Os que são afetados raras vezes recebem ajuda do governo. Realmente, a humanidade precisa do Reino de Deus, que mudará nossa vida para muito melhor. - Isaías 9:6.