Maggi: País tem dificuldade de aceitar subsídios e barreiras comerciais em acordo

Ribeirão Preto - SP

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirmou dia 22/5, em entrevista à imprensa francesa que, "Nós temos dificuldade em aceitar essas negociações, (...) em aceitar o mercado aberto, em função (de) que vocês, na Europa, trabalham com muitos subsídios e nós não trabalhamos com subsídios na agricultura brasileira. Então, precisamos estar atentos a essa abertura para que não venha atrapalhar o crescimento de agroindústrias no Brasil e, pelo andamento nas negociações, está muito próximo de fazermos esse acordo comercial".

No início da conversa com a imprensa francesa, Maggi admitiu que o Brasil "não foge da responsabilidade" pelo avanço da agricultura e da pecuária no passado sem considerar questões ambientais e trabalhistas. "Não fugimos a esta responsabilidade de corrigir os erros que nós tínhamos, tanto nas questões relacionadas ao trabalho e também das questões ambientais", disse o ministro, citando, em seguida, que o Brasil usa apenas 9% do território para agricultora, atualmente, e tem regras rígidas trabalhistas e para a ocupação.

Ao ser indagado sobre o avanço da agricultura em áreas de preservação ambiental, Maggi afirmou que a questão "é um problema", mas que o governo brasileiro tem atuado "com mão dura nesse processo". Além do combate ao desmatamento, de acordo com o ministro, "o ritmo de ocupação dessas terras diminuiu pelo fato de os próprios produtores perceberem que não adianta produzir mais se as empresas privadas não compram mais produtos dos que desmatam irregularmente".