Saiba como proteger sua propriedade rural contra incêndios

Fonte: Canal Rural

A cada ano no Brasil são detectados cerca de 300 mil focos de incêndios, queimadas ou nuvens de fumaça. Juntos eles são responsáveis por devastar em média 15 mil km² de florestas naturais e áreas localizadas em propriedades rurais. As informações são do instrutor credenciado do Senar-MT, Rogério Fernandes da Silva, que alerta: 95% desses incêndios são provocados pelo homem!

Por isso é importante que, no campo, o produtor adote medidas preventivas e siga as recomendações necessárias para diminuir os riscos e prejuízos em caso de fogo indesejado. Essa prevenção pode ser trabalhada em duas frentes: prevenção de risco - que procura evitar ocorrência dos incêndios florestais, antecipando as tomadas de decisões - e a prevenção de perigo - que impede a propagação do fogo com a abertura de aceiros contra incêndios. Quanto aos aceiros, o ideal é que eles tenham de 3 metros e 6 metros em áreas de APP (Áreas de Preservação Permanente), ou o dobro da altura da vegetação, afirma Rogério.

Num incêndio florestal normalmente é fácil perder o controle do fogo, por isso é importante estar atento ao clima, topografia, direção do vento e, claro, aos elementos combustíveis presentes no local. Estas medidas podem ajudar a combater ou até mesmo evitar a ocorrência de incêndios.

O instrutor reforça ainda que é de extrema importância ter profissionais equipados e preparados para atuar em casos de incêndio. É aí que entra o trabalho das brigadas de incêndio. A brigada é basicamente um grupo de colaboradores devidamente treinados e capacitados, que atua no atendimento à emergências, seja na prevenção e combate a incêndios; seja nos primeiros socorros.

Dentre as consequências de um incêndio em um propriedade estão: a queda de produtividade agrícola devido a desidratação do solo, morte de plantas e animais, assoreamento de nascentes, perda de fertilidade do solo, perda de minerais, além de trazer diversas doenças respiratórias para quem é exposto à fumaça.

O assunto foi tema do Bom Dia Senar-MT desta quarta-feira (27).